Viver de novo

Ao ler o título desse texto, você deve estar pensando: viver de novo? Como assim? Sim, aos 29 anos de vida, entre conquistas e realizações, fui surpreendida pelo amor de Deus e vivi de novo! Uma experiência única, que mudou toda a minha vida!

Tudo começou quando passei por uma consulta de rotina com o meu ginecologista, seguida da solicitação de uma ultrassonografia. O resultado desse exame constatou um pequeno nódulo no meu seio esquerdo e imediatamente fui encaminhada ao mastologista. Na primeira consulta com esse especialista, foi realizado  um exame de punção e o resultado me deixou um pouco mais tranquila. Tudo parecia caminhar normalmente, afinal de contas, havia 97% ) de chance daquele nódulo ser um tumor benigno.

Mesmo com esse diagnóstico, fez-se necessária a remoção daquele indesejado nódulo, e por isso, dentro de poucos dias eu estava fazendo a cirurgia. O material coletado com o procedimento cirúrgico, foi encaminhado ao laboratório e submetido à biópsia. Quando o resultado chegou, meu marido foi acionado para receber todas as orientações em relação ao próximo procedimento, antes mesmo que eu o soubesse. Mas, não demorou para que eu fosse notificada.

O resultado da biópsia era o seguinte: havia 3% de chance daquele infortúnio se transformar em 100% de certeza de ser um tumor maligno, o que mudou completamente a direção da minha vida.

Mesmo sendo uma pessoa otimista e super positiva em tudo o que faço, meus dias se tornaram inseguros e totalmente obscuros após aquele diagnóstico. Sendo conhecedora da Palavra e do amor de Deus, eu sabia que em todo o tempo Ele estaria ao meu lado, me amparando. No entanto, somos seres limitados e estamos sujeitos a muitas angústias.

Seguindo para o próximo passo dessa trajetória, passei pela segunda cirurgia, uma mastectomia que, por sua vez, durou aproximadamente cinco horas. Sim, tive que retirar toda a minha mama esquerda! Ao sair do centro cirúrgico, fui conduzida ao quarto, onde receberia visitas de familiares e amigos. Mas, algo diferente acontecia dentro de mim de forma tão surpreendente, que eu não conseguia entender e tampouco explicar o que eu sentia naquele momento.

Após várias tentativas com medicamentos para náuseas e dores, pedi que chamassem o meu marido para que eu pudesse lhe falar tudo que estava acontecendo comigo. A verdade é que eu sentia que a minha alma se despedia do meu corpo. Eu estava morrendo! Fiz aquela confissão para o meu esposo, que me olhava fixamente. Sem lágrimas, sem sentimentos, sem voz, apenas sussurrando, eu me despedia dele. Eu estava tentando ganhar tempo, antes que todo o meu corpo se esfriasse por completo, pois aquela sensação de morte que começou minutos antes, já não me permitia tantas explicações. Sobre esse momento, meu esposo relatava o seguinte:

“Naquele momento, segurei nas mãos daquela mulher que Deus me deu como minha companheira, me enchi de uma unção a qual nunca havia experimentado, senti toda a autoridade do Espírito Santo de Deus e repreendi o espírito de morte que tentava contra aquela vida. Como um sopro de vida, Deus a trouxe de volta para que, ao meu lado, e, juntamente com os nossos filhos, pudéssemos testemunhar a misericórdia do nosso poderoso Deus.” (Hilton Modesto de Araújo – In Memorian).

Depois daquele clamor do meu marido, senti a vida voltando novamente. Era o cuidado do Senhor, que me resgatou naquele momento! Eu vivi de novo!

Depois de perder todo o meu seio e passado o repouso daquela grande cirurgia, dentro de alguns dias, comecei o tratamento quimioterápico, o que faz cair todo o meu cabelo. Posteriormente, realizei também a radioterapia. Todos os dolorosos efeitos, incluindo a depressão, não foram superados de forma tão simples, mas uma força sobrenatural sempre estava controlando o meu ser e me livrava de tais aflições. Era o Soberano, nosso Deus! O Senhor, em sua grandeza e misericórdia, sempre está inclinado a ouvir o nosso clamor.

Depois de cinco anos dessa experiência, Deus recolheu o meu marido. Ele foi o homem que me apoiou no momento que eu mais precisei. Hilton se foi, mas também me deixou amparada por uma família e dois filhos maravilhosos, que sempre estiveram ao meu lado. E como forma de me presentear, o nosso Deus me confiou, pela terceira vez, a realização de ser mãe novamente.

Em todos esses momentos difíceis da minha vida, eu sempre estive conectada ao nosso Criador, pois eu bem sei que Ele nunca nos deixou sem resposta para cada uma de nossas orações.

 

Vânia Alves Machado Araújo

Vânia Alves Machado Araújo

Licenciada em Letras/vernáculas, Bacharel em Teologia, Membro na Igreja Batista Renascer. @vaniahockman

Você também vai gostar de ver