A organização financeira de um lar

A forma como a família gerencia e organiza as finanças reflete no relacionamento, na harmonia e na paz dentro do lar. Esse comportamento, quando feito de maneira errada, pode acarretar problemas emocionais, sociais e espirituais dentro de um lar.

Quando a renda familiar não é suficiente para a manutenção dos gastos mensais, a vida do casal e da família se torna uma rotina monótona e geralmente, cheia de conflitos e até discussões explosivas.

De forma semelhante, ainda que não se viva  a escassez de dinheiro, mesmo assim, é comum a falta de consenso familiar em ganhar, gastar, cuidar e investir o dinheiro da família. Portanto, administrar bem as finanças e o relacionamento do casal é um constante desafio que merece atenção para que a vida íntima não seja afetada de forma negativa, como resultado da má gestão do dinheiro e assim, evitar que a saúde emocional da família seja prejudicada.

Mas, como organizar as finanças, transformá-las em um meio de proporcionar paz e harmonia, além de evitar que sejam um gerador de conflitos, agressões, brigas e confusão no lar? Vamos para algumas dicas:

  • Praticar o autoconhecimento e conhecer as suas próprias limitações e do cônjuge em relação às dificuldades e habilidades de lidar com o dinheiro;
  • Conversar abertamente sobre dinheiro de forma preventiva e respeitosa;
  • Procurar a ajuda de profissionais antes que a “bomba estoure” e as brigas se tornem inevitáveis;
  • Discutir e dividir a administração das finanças em parceria com o cônjuge;
  • Planejar, em conjunto, a conquista de objetivos comuns e objetivos pessoais, considerando metas de curto, médio e longo prazo;
  • Estabelecer limites e deixar as regras bem claras para todos com base em um orçamento e planejamento inteligente, justo e que contemple as necessidades e objetivos de todos os membros da família;
  • Aprender a controlar as compras por impulso;
  • Criar bons hábitos financeiros, como saber esperar e não antecipar a realização de sonhos, evitando dívidas desnecessárias e pagamento de juros abusivos praticados pelo mercado; e
  • Ter metas claras e bons motivos pelos quais está se esforçando para economizar e guardar dinheiro, evitando o acúmulo desnecessário e a frustração por falta de clareza e definição dos sonhos a serem realizados dentro de uma escala de prioridades.

A dificuldade em lidar com o dinheiro tem sido motivo de sérios problemas familiares e muitos lares têm deixado o amor esfriar, o respeito acabar e o desejo de convivência desaparecer.

Administrar o dinheiro e o relacionamento do casal com zelo, disciplina, amor, equilíbrio, respeito e responsabilidade gera bons resultados financeiros e afetivos para toda a família.

Quando o casal busca a Deus de maneira conjunta, por meio da intimidade espiritual, afetiva e financeira, passam a gerar um relacionamento feliz além da construção de um legado de paz, maturidade e harmonia para toda a família.

Nadir da Silva Luz Pimentel

Educadora financeira, pastora na Igreja Fonte da Vida. Instagram: @nadirluzpimentel_financas

Você também vai gostar de ver