Mulheres dependentes de Deus

Atualmente existe uma grande produção de conteúdo destinado ao interesse do público feminino. No calendário temos o nosso dia especial e a todo tempo estamos em destaque por motivos diversos. É interessante pensarmos sobre esse ser, essa criatura divina que possui características marcantes e dons espetaculares. Eu creio que Deus se atentou a uma lista de detalhes ao criar a mulher, pensando em aspectos como as suas curvas, traços e riqueza de simetrias, com a mente brilhante que só observamos n’Ele.

Além de toda a dedicação empregada nas características físicas, acredito que Ele criou marcas de personalidade que são inerentes à Sua obra. Toda sensibilidade, acuidade visual e auditiva, fragilidade, destreza, intensidade, generosidade, resiliência e curiosidade se complementam com a força, coragem, ousadia, resistência, persistência e dedicação, que também foram intensamente cravadas no DNA de sua criação. Se analisarmos todos os dons que Deus concedeu à mulher, perceberemos que foi dado o poder de realizar inúmeras façanhas.

Desde o início, o Senhor também estabeleceu como um dos papéis da mulher o de ser a ajudadora idônea e auxiliadora fiel do homem. Ao conhecer esse propósito e ler sobre ele na Palavra de Deus, como em Colossenses 3:18 e Efésios 5:22, vemos que a mulher deve ser submissa ao seu marido, isto é, estar sob a sua missão e respeitar sua autoridade, pois no casamento, o marido tem uma posição de liderança. Além disso, foi dado à mulher um grande presente, a capacidade que nos aproxima dos atributos do próprio Deus, que é o dom de gerar, criar e reproduzir. Em contrapartida, aos maridos foi dada a missão de amar a sua esposa como a seu próprio corpo e, consequentemente, sustentá-la e protegê-la.

Portanto, a mulher deve ser protegida, respeitada e valorizada. No entanto, a sociedade em seu pecado e ignorância, perverteu os reais princípios, conduzindo a mulher a perder os seus valores e, em consequência, ela passou a exigir uma posição que era inerente aos homens, enxergando nessa requisição uma vantagem. Com isso, vemos do outro lado, homens mais fracos, filhos mais frágeis e sem identidade, além do aumento de doenças físicas e emocionais.

Não podemos esquecer que existiram homens opressores e que tornavam a vida da mulher limitada e triste, entretanto, essa atitude nunca veio de Deus. Esses comportamentos deveriam ser exceções e não intensos ao ponto de fazer com que a mulher, ao invés de lutar contra a opressão, lutasse para se tornar uma opressora.

Gostaria de apresentar breves descrições de alguns nomes de mulheres bíblicas que nos levam a perceber o plano de Deus para nós. A começar pela história de Sara, que além de ser uma das mulheres mais belas que já existiu, era dotada de força, coragem, ousadia, liderança, persistência e paciência, além de ter sido auxiliadora no sucesso do seu marido, ainda se tornou mãe das nações.

Conhecendo Ester, lemos a história da judia que ganhou o maior concurso de beleza do seu tempo, foi ousada, corajosa, resistente, persistente, perspicaz e assumiu uma posição de prestígio. Ainda assim, foi colocada em grande perigo, afinal, seu marido foi um dos homens mais cruéis que a história conheceu. No entanto, a coragem de Ester a capacitou para salvar uma nação inteira da morte.

No Velho Testamento, também conhecemos Raabe, uma mulher perspicaz, inteligente, visionária, forte e corajosa. Ela trabalhava em um ambiente completamente difícil e improvável, no contexto da prostituição, mas teve o seu destino mudado a partir de sua ousadia, e depois foi colocada na linhagem de Jesus.

Quando lemos a narrativa de Rute, descobrimos uma jovem que se deparou com a viuvez e que tinha como origem um povo incrédulo. Diante disso, Rute encheu-se de amor, coragem e ousadia. Passou a trabalhar para sustentar a sogra e seu lar, e depois foi reconhecida e escolhida para ser parte de um grande povo, conduzindo e influenciando pessoas ao lado de seu marido, até que também passou a integrar a linhagem do Messias.

Débora era uma profetisa e juíza que liderava Israel quando não havia rei. Ela convocou o exército e incentivou guerreiros que derrotaram os opressores. No período em que viveu sob a liderança de Débora, Israel teve paz durante 40 anos.

Também podemos citar Priscila, uma grande evangelista que trabalhava muito junto ao seu esposo, levando a Palavra de Deus, além de se dedicar no treinamento de grandes líderes. Abigail era uma mulher inteligente e bonita, casada com Nabal, um homem rude e mau. Ao ler a sua história, percebe-se que ela era sábia, corajosa e comandava com muita sabedoria a sua casa e seus empregados, pois diante da intolerância de seu marido ela sabia organizar os seus negócios e com isso, salvou os seus da morte e ainda realizou esse feito sem desonrá-lo.

Com certeza não posso deixar de falar de Maria, a grande escolhida para a maior missão de todos os tempos, dar à luz, com a concepção do Espírito Santo, ao Salvador do mundo. Ela foi corajosa, forte, ousada e amável o suficiente para esse feito.

Aprendemos com todos esses exemplos que Deus não limitou a mulher a estar em segundo plano, mas permitiu que ela desempenhasse papéis importantíssimos na sociedade, além de ser responsável por dar à luz e preparar as próximas gerações para dar continuidade ao propósito desenhado para sua linhagem.

Percebemos ainda, que mesmo sendo dotada dessa capacidade, Deus escolhia guardar e livrar as suas filhas de ambientes que poderiam colocá-las em perigo e deu às mulheres muito mais vantagens do que obrigações, quando comparadas aos homens.

Hoje eu te convido a buscar de volta os seus valores, propósitos e a restaurar a identidade que Deus desenhou para você. Pare de tentar suprir as exigências impostas por um mundo onde as pessoas não sabem o que falam e caminham perdidos rumo à condenação.

Vamos fazer como Paulo nos instruiu, “E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12:2).

Nossa mente está cheia de enganos e princípios falsos que não nos permitem ver as coisas como Deus as enxerga. Por isso, devemos pedir a Ele que restaure em nós a sua boa, perfeita e agradável vontade.

Mulher: independência não existe, o que existe é a liberdade em ser totalmente dependente de Deus.

Pra. Sara de Sousa Andrade

Pra. Sara de Sousa Andrade

Fisioterapeuta, Especialista em Neurologia e PSF, Mestre e Doutora em Ciências da Saúde, pastora auxiliar da IBR.

Você também vai gostar de ver