Entrevista com Filipe Breder

A celebração da Páscoa é carregada pela simbologia profunda, aliada ao sacrifício e ressurreição de Cristo após a Sua morte na cruz do calvário. No mês de abril, convidamos o teólogo Filipe Breder, um dos pastores na Igreja Primeira Batista de Campo Grande (MS) e coordenador da @escoladodiscipulo, ministério de ensino que objetiva “formar uma igreja que seja intelectualmente robusta e espiritualmente vibrante por todo o Brasil”, ativa também nas redes sociais e com canal no Youtube. Nessa entrevista, ele responderá pontos importantes sobre a origem e significado da Páscoa, além de esclarecer dúvidas comuns relacionadas à celebração cristã. Confira!

  • De que forma a Páscoa aparece no Antigo Testamento? 

A palavra Páscoa vem do hebraico “pesach”, que significa “passar por cima”. Quando o povo hebreu era escravo no Egito, durante a décima praga, quando Moisés estava libertando o povo da escravidão, Deus diz que traria morte aos primogênitos. Então, Ele pede para que todos os hebreus sacrificassem um cordeiro e que passassem o seu sangue nos umbrais das portas (madeiras na parte superior) das casas. Dessa forma, onde o sangue do cordeiro estivesse, o anjo passaria por cima e preservaria a vida dos hebreus. A Páscoa então é a celebração da libertação do povo da escravidão no Egito. A partir disso, ela passa a ser celebrada no Antigo Testamento todos os anos para trazer à memória a libertação recebida pelo Senhor.

  • Qual era a relação do povo cristão com a Páscoa ainda no tempo de Jesus Cristo?

Quando chegamos no Novo Testamento, Jesus morre justamente no final de semana de celebração da Páscoa e da mesma forma que no tempo de Moisés. Um cordeiro foi sacrificado para que houvesse salvação, sendo que o verdadeiro Cordeiro de Deus morreu na cruz e assim, ofereceu liberdade, perdão dos nossos pecados e vida eterna.

  • Qual é a origem da celebração da Páscoa nos moldes que a celebramos nos dias atuais?

Para nós cristãos, a Páscoa foi ressignificada através de Jesus. Nós cremos que a Páscoa já no Antigo Testamento apontava justamente para Cristo. Pelo sangue de Jesus, tivemos os nossos pecados perdoados, e a Páscoa passa a servir como a celebração da ressurreição daquele que trouxe remissão dos nossos pecados e a reconciliação de Deus com o homem. Acredito que a Páscoa traz um significado para nós maior do que o próprio Natal, já que é pelo sacrifício de Jesus na Páscoa é que nós temos vida, e é justamente a partir disso que o Senhor começa a estabelecer o Seu Reino na Terra.

  • Como surgiram os símbolos externos ligados à Páscoa, como ovos e coelhos?

Na antiguidade, principalmente no Egito e na região do antigo oriente, o ovo representa nova vida, e os cristãos passam então a usar o ovo como um símbolo dessa nova vida que Jesus nos traz. Na Páscoa, os cristãos passaram a comer ovos cozidos, pois a casca do ovo representava um símbolo do túmulo que foi deixado para traz e com o passar do tempo, os ovos passaram a ser coloridos, principalmente de vermelho, como simbologia do sangue de Jesus. É interessante vermos que os ovos carregam esse princípio cristão e com o passar do tempo, alguém surge com a ideia de remover o interior do ovo e preenchê-lo com chocolate. Com a modernidade, na tentativa de reprimir o Evangelho, surge então a figura do coelho da Páscoa, que pela sua fertilidade, passa a ser um novo símbolo e os ovos acabam perdendo o seu significado original.

  • De acordo com a Palavra, como os cristãos devem comemorar a Páscoa?

Não há problema algum em nos presentearmos com a troca de ovos de chocolate, o que não podemos perder é o significado da morte e a ressurreição de Jesus Cristo. Na Páscoa, nós reencenamos a paixão de Cristo, é ela que nos ajuda a lembrar que Jesus Cristo morreu na cruz pelos nossos pecados, ressuscitou no terceiro dia e agora nós temos vida com Deus. A lembrança da Páscoa deve ser acompanhada pelo arrependimento de nossos pecados, renovação dos nossos votos a cada dia e da lembrança do plano da salvação para o qual fomos criados.

Jéssica Lima

Jéssica Lima

Você também vai gostar de ver