Estou comprometido com o quê?

Grande parte do que conquistamos ou não, está relacionado com uma simples palavra: COMPROMETIMENTO.

Comprometimento é um substantivo masculino, que significa a ação de comprometer ou envolver com alguém ou alguma coisa.

A palavra comprometimento tem origem no termo em latim compromissus, que indicava o ato de fazer uma promessa recíproca. Por esse motivo, comprometimento é sinônimo de compromisso, e requer responsabilidade da parte de quem se compromete.

Uma pessoa pode demonstrar comprometimento em várias áreas de sua vida, por isso é essencial observar se está tendo esse compromisso em todas as áreas, e também se está tendo envolvimento com coisas erradas, e não com as coisas certas.

Muitas vezes, as pessoas vivem no mundo da ilusão. Acham que estão sendo responsáveis e comprometidas com seus relacionamentos, com a família, com a igreja, com suas amizades, mas na verdade, vivem no engano.

Veja em Mateus 9:35-38:

“E percorria Jesus todas as cidades e aldeias, ensinando nas sinagogas deles, e pregando o evangelho do reino, e curando todas as enfermidades e moléstias entre o povo.
E, vendo as multidões, teve grande compaixão delas, porque andavam cansadas e desgarradas, como ovelhas que não têm pastor.
Então, disse aos seus discípulos: A seara é realmente grande, mas poucos os ceifeiros.
Rogai, pois, ao Senhor da seara, que mande ceifeiros para a sua seara”.
(Mateus 9:35-38)

Nessa passagem, Jesus percebe a imensidão do trabalho, mas também vê que poucos são os ceifeiros, ou seja, há poucas pessoas que se comprometem verdadeiramente.

Nos dias atuais, infelizmente essa realidade não mudou. Estar comprometido exige renúncia, disciplina e perseverança. Poucos estão dispostos.

Nos relacionamentos conjugais, por exemplo, temos visto muitas festas de casamento com lindas cerimônias, as pessoas recebem uma certidão de casamento, mas na verdade, não se casam, as pessoas passam a morar juntos, dividem as dívidas, mas não estão juntos, pois no primeiro problema, na primeira tempestade, na primeira fraqueza, ou no primeiro teste, as pessoas se separam, porque na verdade não existiu raiz e nem conexão, ou seja, a verdade é que não há compromisso.

Há um dado que diz que 80% dos divórcios acontecem por algo pequeno, e que poderia ter sido resolvido, se tivesse zelado do comprometimento e do cuidado com o outro.

As pessoas querem uma oportunidade de “passar tempo” e “curtir a vida”, mas não querem compromisso. Muitos estão nos relacionamentos somente por conveniência, e quando não há mais esse interesse, há uma abandono das responsabilidades, e assim, se livram do que alguns chamam de compromisso.

As pessoas estão confundindo o que é estar comprometido, pois estão fugindo de assumirem responsabilidades, ou seja, alguns estão dispostos a fazerem somente as coisas que gostam, e no momento que lhes for conveniente.

Saiba que todo relacionamento há responsabilidades. As relações hoje em dia estão muito frágeis, a traição se tornou algo banal, o abandono dos relacionamentos é algo comum. O fato é que não dá para ter relacionamento sem reciprocidade. É engano pensar que quando entramos em um relacionamento iremos apenas receber, pois tem que haver também a doação, isso é reciprocidade.

Você se doa tanto, quanto exige em receber?sem_tytulo-1_4

Avalie e analise isso: pegue o que tem recebido, coloque em uma balança e veja o que você tem doado, observe se há equilíbrio. Dessa forma, saberá se está comprometido ou não.

Infelizmente, na igreja a falta de comprometimento não é diferente.  Temos pessoas na igreja que vão e vem. Muitos seguem princípios, praticam ações, mas na verdade, não se comprometem com nada.

Há ministérios da igreja em que as pessoas não se comprometem. Querem cargos ou títulos, não havendo portanto, resultados. Encontramos na igreja aqueles que frequentam os cultos, contribuem financeiramente, dão opiniões sobre diversos assuntos, mas não assumem compromisso com nada. Saiba que ter compromisso com Deus é ter comprometimento com a casa do Senhor, é entender que a presença nos cultos, a participação nos ministérios e o envolvimento nas atividades da igreja fazem parte de uma vida cristã saudável e produtiva.

No mercado de trabalho, infelizmente vemos a mesma situação: há pessoas empregadas, mas que não estão comprometidas com o seu emprego, só pensam no salário. Muito querem ser chefes, ter cargos melhores, títulos, mas não se comprometem.

Saiba que um funcionário não envolvido com o trabalho prejudica a própria imagem e atrapalha o alcance das metas da empresa. A falta de comprometimento dos empregados tem afetado muitas organizações e dificultado o crescimento de alguns negócios. Estar comprometido é uma das habilidades mais valorizadas no mercado de trabalho.

É por esses e outros motivos que pessoas descomprometidas não conseguem ficar em lugar nenhum. Mudam de emprego, de relacionamentos e de igreja com grande facilidade, isso é lamentável!

Muitas pessoas hoje se queixam por não ter conseguido concluir os estudos, e muitas vezes vemos que o motivo desse abandono foi a falta de compromisso com a escola. Infelizmente, vemos garotos e garotas repetindo de série por várias vezes, ou abandonando os estudos por motivos banais, isso é, na verdade, falta de comprometimento!

Nas universidades, vemos a mesma situação: alunos que começam um curso, param, mudam várias vezes de curso, e no final, desistem de terminar. Não há persistência. Não há comprometimento de corpo, alma e espírito.

É por isso que a morte, para muitos, é algo triste, pois durante a vida não houve a preocupação em deixar um legado para os seus descendentes, não houve comprometimento com nada.

Em Israel, por exemplo, quando um rei era considerado negligente, eles eram esquecidos depois da morte, nem mesmo o seu nome era colocado em destaque.

Infelizmente o problema é que não há um investimento total no que se faz, há sempre uma independência e uma inconsequência no que se faz e como se faz.

Muitas pessoas se contentam apenas em comer as migalhas que caem da mesa, e não tem acesso ao banquete que é dado aos filhos, pelo Senhor.

Temos que perceber que o tempo passa, e com ele vem a velhice. Há pessoas que passam anos construindo desculpas e também culpando outras pessoas pelo que não deu certo em sua vida.  Muitos culpam o diabo, o inimigo ou os críticos pelo seu fracasso. Mas, temos o livre arbítrio de ir e vir. O seu descompromisso não está relacionado com ação maligna.

As desculpas deveriam ser trocadas pela seguinte pergunta: como seria a minha vida, o meu ministério, a minha família, a minha profissão se eu tivesse me comprometido?

Pessoas que não estão comprometidas com nada, veem o tempo passar, a velhice chegar e seus sonhos morrerem. O custo de tudo isso é ver que a falta de compromisso camuflou muitas coisas. Lamentável!

Avalie o seu dia-a-dia, veja que estilo de vida está vivendo e com quem está se comprometendo.

Saiba que a excelência, ou as verdadeiras qualidades nunca estão em promoção. Há um preço a ser pago, há uma responsabilidade!

Se você quer conquistar a excelência, então prepare-se para envolver seu corpo, sua alma e seu espírito.

Reflita: como você está escrevendo a sua história?

Saiba que o final das coisas são sempre melhor do que o começo.

O nosso Deus é um Deus de compromisso, Ele está comprometido conosco vinte e quatro horas por dia, Ele tem uma aliança conosco e um compromisso de nos guiar, guardar, proteger, fortalecer, curar e nos suprir em todas as nossas necessidades.

O mundo que vivemos precisa de pessoas comprometidas! Vamos fazer a diferença!

Pr. João Queiroz

Pr. João Queiroz

http://[email protected]

Graduado em Pedagogia e Teologia, pós-graduado em Neuropsicologia e Psicanálise Clínica. Fez curso de Coaching, é pastor presidente da Igreja Batista Renascer.

Você também vai gostar de ver