Golpes bancários: cuidado para não cair neles

O número de golpes envolvendo o Sistema Financeiro Nacional praticados no Brasil cresceu 80% durante a quarentena, conforme informações da Folha de S. Paulo. As principais vítimas são os idosos, porém ninguém está imune.

Para concretizar os golpes, os criminosos aplicam técnicas e engenharia social, utilizam artifícios para induzir as vítimas a fornecer informações pessoais, senhas ou códigos de acesso e entregar cartões magnéticos que, posteriormente, serão utilizados para efetuar transações bancárias não autorizadas. A vítima pode ser convencida até mesmo a realizar operações financeiras, crendo que está ajudando algum amigo ou parente. Os golpes estão cada dia mais sofisticados e convincentes.

É importante conhecer os principais tipos de golpes para se prevenir. Você poderá encontrar mais informações ao consultar o site oficial de seu banco ou o site da FEBRABAN. Os mais comuns são: troca de cartões nos caixas eletrônicos, troca de envelopes de depósito por um envelope vazio, falso sequestro de um familiar, falso mecânico, boletos falsos, falso pedido de ajuda financeira feito por um familiar ou amigo, premiações ou sorteios falsos e solicitação de depósito para confirmar liberação de crédito à pessoa negativada.

Recentemente, um golpe chamado “Golpe do Falso Motoboy” tornou-se muito comum e tem causado diversos prejuízos financeiros. A vítima recebe uma ligação de alguém se passando por funcionário do banco, informando uma tentativa de compra ou defeitos no cartão e é orientada a ligar na central de relacionamento do banco. Mas, os criminosos permanecem na linha e conseguem obter as senhas da vítima. Em seguida, enviam um motoboy à casa da vítima para buscar o cartão para verificações. Uma vez que estão de posse do cartão e da senha, realizam diversas transações.

Portanto, desconfie de facilidades excessivas, da ajuda de estranhos para realizar transações nos caixas eletrônicos, da oferta de prêmios e promoções e até mesmo de pedidos de ajuda financeira feitos por parentes ou conhecidos. Jamais digite as senhas ou entregue o cartão, ainda que o mesmo tenha sido danificado. Leia atentamente as mensagens antes de fornecer códigos recebidos por SMS. Além disso, verifique com atenção o endereço dos sites antes de clicar em links e fornecer informações pessoais. Cadastre-se no serviço de envio de alertas financeiros por SMS sobre as transações realizadas.

Tomando essas medidas simples, você reduz o risco de se tornar mais uma vítima dos golpes.

Fique ligado!

Jéssica Felix Teixeira Mendes Medina

Jéssica Felix Teixeira Mendes Medina

Bancária, Graduada em Administração, Pós-Graduada em Controladoria e Finanças.

Você também vai gostar de ver