Maturidade: um caminho difícil de trilhar

“Quanto ao mais, irmãos, já os instruímos acerca de como viver a fim de agradar a Deus e, de fato, assim vocês estão procedendo. Agora lhes pedimos e exortamos no Senhor Jesus que cresçam nisso cada vez mais”. (1 Tessalonicenses 4:1).

Irmãos, nesta Palavra Pastoral quero trazer um ensinamento acerca do que considero primordial: o processo da maturidade. É preciso compreender que alcançar a maturidade não é um caminho fácil, pois demanda muito esforço. Entendo que uma das qualidades mais importantes na vida de um homem ou mulher de Deus é a maturidade, pois dessa forma você saberá governar a sua alma, exercendo assim um completo controle sobre as suas emoções.

Costumo dizer que aquilo que controla as suas emoções exerce também um controle sobre a sua vida. A falta de maturidade pode levá-lo a tomar decisões equivocadas, além disso, nos mantém presos às coisas do passado, situações que já não deveriam exercer influência sobre nós.

A verdade é que o caminho para a maturidade é desgastante, mas necessário. Muitos insistem em ter atitudes infantis, pois se recusam a crescer. A mudança é fundamental e exige alguns passos. A seguir, trago alguns dos que considero essenciais:

  • Reconheça que você não pode ser Deus:

Talvez você não saiba, mas um dos nossos maiores desafios é parar de agir como se fôssemos o próprio Senhor de nossas vidas. Somos levados ao desespero, não compreendemos nossos limites. Nas situações necessárias, aprenda a dizer a si mesmo: esta é uma responsabilidade que não cabe a mim ou ainda, este é um peso que eu não consigo e não devo carregar. Assumir responsabilidades que não são suas não é sinal de força, pelo contrário, demonstra imaturidade.

O envelhecimento nem sempre é sinal de maturidade e isso é comprovado por meio de nossas decisões. Uma das qualidades advindas da maturidade é entender o que você já tem e valorizar aquilo que você é, ao invés de se desesperar pelo o que não possui e por aquilo que ainda não se tornou. Entenda quem você é, bem como a função que precisa exercer. Uma vez que se entende este princípio, você passa a se concentrar nas coisas boas: o que você é e o que você sabe. Portanto, livre-se dos pesos que não são seus. Precisamos ter maturidade para compreender que a caminhada cristã é, muitas vezes, conviver com orações que parecem não ser respondidas, situações injustas e dias maus.

  • Atente-se a quem você ouve:

Vivemos em uma sociedade de muitos mestres, mas que, muitos entre eles,  nunca foram discípulos. Pessoas que dão lições e querem ensinar sobre aquilo que nem elas mesmas vivem, portanto, o meu conselho é para que escolha bem a quem ouvir. Ao nosso redor, vemos pessoas que ensinam a amar, sem respeitar; a se envolver, sem que haja comprometimento. Portanto, a falta de sabedoria em fazer boas escolhas, geram prejuízos para a Igreja, pois passamos a lidar com pessoas que ainda não entenderam o peso de suas decisões e a administrar as suas responsabilidades. Além disso, é preciso compreender que quando corrigido, é esperado que você saiba agir como um adulto, que não se constrange facilmente diante de correções e que saiba se posicionar com maturidade.

  • Aprenda a admitir as suas falhas:

Na história de Ana, descrita em 1 Samuel, lemos que havia algo que causava grande transtorno em sua vida: as provocações vindas de Penina. Ela era a outra mulher de seu marido e que ao contrário de Ana, já havia conseguido lhe dar filhos. Podemos nos perguntar a razão de Ana ficar tão irritada. Eu acredito que era justamente o fato de Ana não admitir a sua própria esterilidade. O que quero dizer com isso é que talvez alguém vem conseguindo irritá-lo, porque você ainda não conseguiu admitir a sua fragilidade ou ausência de maturidade.

Elcana, o marido de Ana, a amava profundamente. No entanto, Ana aparentava não dar o devido valor a tal sentimento. Todos os anos eles se dirigiam a Siló, o lugar onde os Hebreus iam para levar  as suas ofertas e para a adorar e celebrarem ao Senhor. Mesmo estando em Siló, Ana não entendia o valor em desfrutar com alegria aquele momento. Certa vez, Elcana perguntou: “Ana, por que você está chorando? Por que não come? Por que está triste?”. Naquele momento, Ana foi despertada e se dirigiu para o templo para orar. Houve uma mudança na vida dessa mulher, que então fez o seguinte voto: “Ó Senhor dos Exércitos, se tu deres atenção à humilhação de tua serva, te lembrares de mim e não te esqueceres de tua serva, mas lhe deres um filho, então eu o dedicarei ao Senhor por todos os dias de sua vida, e o seu cabelo e a sua barba nunca serão cortados”. (1 Samuel 1:11).

A nossa maturidade é revelada por meio de nossas falas e atitudes. É certo que o Senhor compreende nossas fragilidades, mas precisamos assumir a responsabilidade pelo nosso crescimento e amadurecimento. A partir disso, quando entendemos o processo da maturidade, há verdadeiramente uma transformação em nós.

Na manhã seguinte após a oração de Ana, o seu semblante já estava mudado e uma nova postura de fé havia sido assumida, a narrativa bíblica nos enuncia o resultado: “Na manhã seguinte, eles se levantaram e adoraram ao Senhor; então voltaram para casa, em Ramá. Elcana teve relações com sua mulher Ana, e o Senhor se lembrou dela”. (1 Samuel 1:19).

Irmãos, o Senhor também se lembrará de você! Ana desejava apenas um filho, mas Samuel tornou-se profeta e um dos grandes homens usados por Deus no Velho Testamento. Quando olha para a sua vida, o Senhor já está vendo resultados ainda maiores do que você mesmo pode imaginar! Servimos a um Deus que não trabalha com atrasos, mas que está interessado no seu caminho pela maturidade.

Deus abençoe a você e sua família e que te traga maturidade Divina, dia após dia!

Pr. João Queiroz

http://contato@batistarenascer.com

Graduado em Pedagogia e Teologia, pós-graduado em Neuropsicologia e Psicanálise Clínica. Fez curso de Coaching, é pastor presidente da Igreja Batista Renascer.

Você também vai gostar de ver